Poema:   S O S

          Célia Lamounier - Prêmio MH 1995

 

                                       Quando olho as sucupiras

          da longa estrada

             na qual viajo sem você

     me pergunto se iremos

   por quanto tempo colher

       diamantes nas águas dos rios

         pérolas-verdes folhas ao vento

safiras-flores no campo.

            É que a água calma da fonte

           as pegadas dos animais

                  a voz dos pássaros no ar

                        a fragância das capoeiras

                              guardam jóias-lembranças

                         de nossos caminhos

                                 desde o homem de Deus

           até nós...  

                                Pelos caminhos do mundo        

                         pelos caminhos da vida           

              pelos caminhos do amor           

   o eco...lógico.                            

 

          Quando olho os botões          Quando olho o pó do asfalto   

      que desabrocham                              a fumaça das queimadas  

    rosas e crisântemos na sala                       a poeira dos minérios 

 medito a poesia das cores                            as  nuvens das chaminés

milagre da criação celular                               a pele da onça pintada

versos de amor divino                                               o couro do jacaré

que caem sentindo frio                                   seu corpo jogado à terra

 das almas-pétalas soltas.                                     descubro qual a má fé:

É que a beleza das flores                               é que nosso homem coitado

nas cores da natureza                                         dizendo-se progressista

perfumadas pelo orvalho                                     insiste como o Rei Midas

que vem no silêncio da noite                                 na louca transformação

nascido de um céu estrelado                              esquecendo o importante

guarda lembranças risonhas                                  sistema de equilibrar

de um menino-deus ao lado                             lembranças moleculares

 de nossa mãe...                                                      vindas no D N A ...

           Pelos caminhos do mundo                         Pelos caminhos do mundo        

     pelos caminhos da vida                           pelos caminhos da vida  

        pelos caminhos do amor                 pelos caminhos do amor

                   o eco...lógico.                                      o eco...lógico           

 

 

 

                                      Quando olho o céu e o sol

                    o carro de boi a gemer

             no passar da vida rude

  tão pura de se viver

        quero uma estrada cortando

  o campo verde ondulante

um tatu, coelho ou mico

 e o canto da seriema.

         É que a tristeza do fato

                 de tudo estar se acabando

                    mostra bem a trajetória

                                   dos passos humanos na terra

                             quanto mais evoluído

                                     tanto mais fica sofrido

                                           o homem-fruto da máquina

                                           que desdenha a natureza...

                                       Pelos caminhos do mundo

                          pelos caminhos da vida

               pelos caminhos do amor

 ressumbra o ecológico... eco de SOS

   

 

 

O Eco da Natureza

Vânia Moreira Diniz

 

Quando ouço os gemidos da natureza,

Encontro em seus ecos a vida,

Gritando em forma de soluços,

Ou lançando gritos de alegria.

 

Quando vejo a beleza da natureza,

Oculto-me naquele mistério,

O esplendor me torna lânguida,

Espero de sua força a energia.

 

Quando aprecio a potente natureza,

Perco-me em devaneios silenciosos,

Exaurindo todos as lúcidas reações

E me extinguindo alheia e reconhecida.

 

Quando sinto o vigor da natureza,

Expressivo em detalhes enigmáticos,

Recolho-me na mansidão de seu alento,

Procurando viver em profundidade.

 

Quando penetro nos segredos da natureza,

Distancio-me célere de toda a realidade,

correndo urgente em busca da certeza,

E quedando-me já alheia na minha verdade.

 

Quando entreolho a esplêndida natureza,

Encolho-me na minha  fatal certeza,

Esperando um dia ser um elemento,

A brincar na terra úmida fecundada.

 

Quando me misturo ao viço da natureza,

Reconheço que a única verdade,

É o eterno que brota em mim e reproduz,

Nas sensações que um dia experimentei. 

      Vânia Moreira Diniz

02.15.2005

 

- 3a.CONGRESSO LITERÁRIO DO GRUPO DE POESIA LUNA&AMIGOS
            "TERTÚLIA PANTANEIRA" SERÁ EM CAMPO GRANDE-MS PARTICIPEM
OBSERVEMOS OS DIREITOS AUTORAIS.

http://www.lunaeamigos.com.br