Entre Céu e Mar
(Carlos Gama)

Entre o azul do céu
e o verde do mar,
solitário pensa, 
o homem navegar.

Vai, ao sabor dos ventos
e, confiante sobrevive,
(pensando ele que, por si)
à fúria dos elementos.

Pobre ser mortal,
que, por pequena
semelhança, pensa
que os céus alcança.

Desta semelhança
é o caminho que,
de volta o leva
às origens do Ser.

Na Alma liberta,
o Renascer.