EU-PASSARINHO
(Célia Lamounier de Araújo)

Passarinho gentil
por estranhas mãos vai preso
treme, sofre e quer voar
mas a asa aprisionada
de um lado já foi cortada
o vôo não pode alçar.

Passarinho canta-dor
que alegrava todo o céu
traz no brusco palpitar
um desejo tão fremente
necessidade ardente
de ternura para amar

que o teu gesto se parece
com minh'alma sempre em prece
nas trevas sol a buscar.
Se estas mãos soltar quisessem
nossas asas ternamente
voar-íamos a cantar.