Oração de um salário mínimo 

(Célia Lamounier de Araújo)

Senhor, eu estou pensando,
final de mais um mês:
é a conta do armazém,
o aluguel, a carne.
É o dente que dói
e não posso ir ao dentista.
Um novo bebê, o hospital,
descolar uma babá ou empregada
e na horta ir buscar uma verdura.
É a conta do leite e do pão,
a doença, a escola...

E o dinheiro não dá.
Dinheiro não dá.
Não dá... Dá? Não dá...
O que fazer, meu Deus?
Trabalhar?

Mas eu trabalho o dia inteiro,
dou um duro, Senhor!
A mulher também trabalha
e deita sempre em meio à noite
tão cansada, Senhor, que...
E eu levanto sempre às cinco
e é trabalho o dia todo,
trabalho lá e aqui e em todo lugar
onde houver jeito.

Mas o dinheiro não dá.
O que fazer, meu Deus?
Vou sair e andar,
deixar em suas mãos
o destino dos meus.

Vou sair e andar
e jogar na Esportiva, Senhor.
Dá um jeitinho! Dá? Por favor!
Caso contrário, vou ter de ser
para ganhar a vida: um ladrão, um matador?
Não, eu não quero,
não quero mesmo não, meu Senhor.
MAS... o dinheiro não dá. Dá???