Se valerá a pena o ato de existir,
Em versos tentarei breve demonstração
E espero que o sorriso teu, logo a me ouvir,
Seja mais doce ainda e pleno de afeição.

Por um minuto, às vezes, vale ter vivido
Se num minuto o tempo vale um infinito
No milagre sincero de um filho querido,
Na ternura das notas em canto bonito.

Por um dia, um mês, um ano, ser ou não ser
Mas estar vivo, ansioso, cheio de esperanças
Na procura firme de crescer e vencer,
vale sim existir, sonhar, soltar-se em danças.

Por muitos anos, ainda que em triste vida,
Sentindo dores ou descrente e solitário,
Evoluindo assim na espera indefinida
De existir além nas mudanças de cenário...

Criança, jovem, adulto, idoso desejam
Se entregar à vida, abraçar de corpo e alma
O tempo, e por isso um ideal tracejam,
Inconscientes ou não, a existir sem trauma.

Assim, a vida segue, ora triste, ora bela
E o ato de existir se torna essencial
Porque somos todos nós uma parte dela
Formando, elo a elo, a vida universal!

(Célia Lamounier de Araújo)

*******