--- O

Tenho  Luas

 

* Emiele *

 

 

 

Necessito por vezes

sair do comum , do corriqueiro,

Em busca do tudo, do nada,

do falso ou verdadeiro.

De ficar nua

e correr pra rua.

De vestir a roupa

que não a minha...

A dela, a da outra, a sua.

De encontrar a pessoa certa

ou a  errada.

 

 

Tem vez que penso 

entoar um canto novo,

envolver com o povo,

ser anônima  na multidão.

Mas depois me silencio

e feito fera, fêmea,

me recolho acuada,no cio.

 

 

Tem vez que saio do trilho,

me encho de brilho

e me coloro a alma.

Tem vez que me agito assim...

Depois, tudo em mim se acalma.

 

 

 

Tem vez que  preciso

experimentar de tudo.

Quero provar,

Tocar,

Pisar naquele chão,

Deitar naquela cama,

Rolar naquela lama...

Era lama?! Era nada.

As pessoas nos deixam amedrontadas.

Dão idéias falsas

das coisas.

Tenho curiosidade.

Tenho fome de viver.

Quero fazer em mim

gritar - o mudo.

Tenho de tirar a prova

de tudo!

E depois de cada experimento

eu sou mais eu.

E a lua é nova...

 

 

 

I patinga, 11/03/2003

17:43 horas.

 

Formatado pela autora.

Direitos Autorais Reservados.

Proibida divulgação sem autoria.

Obrigada.